segunda-feira, 13 de julho de 2015

Inteiridade


Inteiridade é presença naquele que reconhece e ilumina partes individuais de si mesmo e as integra. É um processo no qual o consciente deve reconhecer e iluminar (tornar conhecido ou consciente) o subconsciente para que juntos possam  observar e integrar o inconsciente (desconhecido)
No oceano da consciência, tudo é expressão dela própria em diferentes formas e fases:

- O consciente é a forma manifesta da consciência (Shakti) na qual a mente se identifica com a matéria (Prakriti) e a vive (lila). A mente torna-se ego pessoal (Ahamkara), e a consciência torna-se o inteleto (Budhi).
- O subconsciente é o sem-forma manifesto da consciência (Shiva) em que o coração sente e a mente interpreta e distorce. Emoções, sentimentos, memórias, crenças, arquétipos, criança-interior e padrões ou tendências psicoemocionais e comportamentais (vasanas e samskaras). A mente torna-se impessoal (búdica) e a consciência torna-se o self (Atman).
- O inconsciente é o não manifesto (Brahman), o princípio divino, a fonte que une. A mente torna-se não mente (Moksha) e a Consciência (Purusha) torna-se presença Transpessoal, para além do pessoal e individual.

Inteiridade é o reconhecimento direto que a ilusão (maya) da torção é o infinito distorcido por aquilo que é manifesto nele próprio. Iluminar é o reconhecer direto da torção na forma.

Tudo é... Consciência Pura.
Jorge M. Porfírio


"Até que você faça o inconsciente consciente , o subconsciente vai continuar a conduzir a sua vida, e você vai chamá-lo de destino." - Carl Jung


"Não há despertar de consciência sem dor. As pessoas farão de tudo, chegando aos limites do absurdo para evitar enfrentar a sua própria alma. Ninguém se torna iluminado por imaginar figuras de luz, mas sim por tornar consciente a escuridão."

'A Prática da Psicoterapia' - Carl Jung
Namastê

www.raiosdomesmosol.blogspot.com

domingo, 12 de julho de 2015

O Equilíbrio

Na vida há momentos em que somos levados a prados floridos e verdejantes, outros em que damos por nós em vales e em becos sem-saída. Assim é a vida, e querer fugir disso é mantermos enclausurada uma parte importante e vital de nós próprios. Nestes caminhos somos convidados a observar e agir perante o que a experiência dá a sentir. Somos convidados a observar a forma e grau de interesse e apego com que nos deixamos identificar por uma das partes e ao mesmo tempo criando aversão e resistência à outra. Persistiremos assim no não reconhecimento de partes de nós próprios que fazem de nós seres humanos sensíveis, emotivos, racionais e conscientes. Por muito que evitemos olhar para essas partes, enquanto não forem resgatadas do inconsciente e reconhecidas no consciente e integradas, esse não reconhecimento e resistência manifesta-se no exterior através da forma como sentimos atração ou aversão por ele.


Por vezes procuramos pelo branco, quando o que precisamos é o preto. Por vezes encontramos o preto e mais tarde torna-se branco. Somos constante mudança, e a vida é mudança. Por vezes optamos pela reação desde a defesa daquilo que acreditamos ser o seguro, o conhecido e confortável para a nossa pessoa. Tendo integrado partes do inconsciente, responderemos perante o desconhecido com uma atitude de neutralidade, aceitação, fluidez, reconhecimento e gratidão. Por um lado, uma ação brota desde a mente/ego que tende a querer controlar e proteger uma parte inconsciente do passado; a outra brota como resposta desde a inteligência cardíaca sempre presente do e no coração, através de um impulso oriundo desde o profundo inerente do indivíduo, para lá e apesar dos seus filtros mentais.

Uma vez que estas aparentes distintas formas de lidar com a experiência sejam tornadas conscientes, convém agora estar atento a quando se tende a “querer” manter ou agarrar o equilíbrio. Essa atitude será espelho da tentativa da mente de querer controlar algo, querer manter o equilíbrio. Reconhecido isto, o equilíbrio não se ganha nem se adquire, antes se perde dissipando-se nevoeiro do inconsciente que nos levava a acreditar e a identificar com a dependência do “querer” e do conceito, do alimento para a mente. Assim, para lá do conceito, o equilíbrio aparece, tal como o Sol que sempre lá esteve atrás das nuvens que o encobriam.

Tal equilíbrio desponta desde uma vulnerabilidade consciente que aprende a contornar e a reconhecer-se a si mesma ao longo do rio da vida e em tudo aquilo que o mesmo possa conter… Aceitando pontes, flores ou rochas no rio contidos, e assim deixá-las para trás, libertando-as não a elas mas à identificação que se tinha para com elas. Contornando-as, sem as combater, julgar ou rejeitar. Ser vulnerável é assim coragem de Ser a essência essencial para si mesmo e permitir que essa fragrância seja emanada ao longo do rio, preservando e honrando a presença profunda e integral. Daí advém a sua força, amorosa e integrativa. Ser vulnerável é assim não sinal de fraqueza mas de força sustentada.

Eventualmente, chegará o momento de libertar também o conceito de equilíbrio, o conceito, a mente dual, para que a essência do profundo se expresse desde o centro e se manifeste através das mãos, a origem da ação, manifestação e co-criação consciente. Naturalmente essa ação será reflexo de um equilíbrio que não depende nem do exterior nem tão pouco da forma como a mente o interprete, mas sim do estado natural que vem desde o mais profundo, outrora visto e entendido como separado, mas agora reunido pelas olhos, pés e mãos conscientes daquele que agora observa,  reconhece, respira, integra, caminha e vive o caminho do meio.

... Caminha, viajante.

Namastê,

Jorge Miguel Porfírio
www.raiosdomesmosol.blogspot.com

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Sombra Amiga



Todo o ser humano é um ser vivo na vida. Para ser vivo na vida, há que reconhecer, aceitar e integrar o que define esse intervalo “vida”, o começo e o fim. A dualidade na condição da existência humana.

A sombra existe sempre que existe uma forma. No esfera do comportamento humano, sombras são aspetos de nós mesmos que fazem sentir contração, limitação ou dependência. Assumem muitas vezes comportamentos de defesa, resistência, medo, insegurança, controlo, desde processos psicoemocionais identificados a um passado e projectados para um futuro. São aspectos de nós próprios à espera de serem reconhecidos, aceites, observados, integrados e assim tornados conscientes pelo próprio. O trabalho com a sombra, pressupõe um reconhecimento de que, para haver sombra, tem de haver galhos e tronco. Terá de existir aquilo que se acredita ver e ser, ou seja, o conhecido. Para haver galhos e tronco, terá de haver raízes que suportem e nutram essas partes. O facto de não serem visíveis, não implica a sua não existência.

Tendemos a focar apenas os galhos, perseguindo frutos, descurando que, dependendo da qualidade da raíz, assim será a qualidade dos frutos que os galhos suportam. As sombras são assim resultado do relacionamento que nutrimos connosco próprios que por sua vez se relaciona com o outro graças à dinâmica da interação humana. Assim a vida funciona como um espelho onde vemos refletida essa parte de nós. Sombras são pérolas contidas no invólucro dual e membrana da esfera pessoal. Sombras são grandes professores na arte de reaprender a ser.

Haja Amor desde as raízes para que as sombras possam ser iluminadas e integradas. Sejamos a visão cristalina da necessidade da humildade do reconhecimento de todas as partes de nós. Essa é a responsabilidade matura e consciente de individuação e liberdade consciente. Esse é O passo. Um passo a ser dado desde dentro e para dentro, desde as entranhas da árvore individualizada que cada um é nesta floresta que somos, qual seiva vital que percorre o ser e impulsiona a força primordial da vida. Estamos juntos neste caminho.

A via Transpessoal facilita esse caminhar e o reconhecimento consciente e direto do resgate de pérolas de nós próprios.

Fica aqui.
Nutre as tuas raízes...
Celebra o teu tronco...
Abraça os teus galhos...
Partilha os teus frutos...
Integra as tuas sombras...
Escancara as portas do teu coração,
E nele respira um "Obrigado!".
... E fica Aqui.


Namastê,
M.
www.raiosdomesmosol.blogspot.com

quarta-feira, 8 de julho de 2015

O Imprevisto Acontece



As coisas, imprevistos e acontecimentos na vida, por si só, são neutros. O que lhes dá importância é o grau de identificação, apego e dependência que consciente ou inconscientemente nutrimos pela emoção que nos dão a sentir. Há emoções que fazem sentir contração cardíaca, outras expansão cardíaca. Aquilo que estas palavras representam para ti e ressoam em ti não será o mesmo para outra pessoa. Cada pessoa é um mundo, cada uma um caminho, um momento individual fluindo no momento do todo. E, assim, o Sagrado nos toca a todos... para que observemos e reconheçamos diretamente a ilusão daquilo que acreditamos ser para sermos aquilo que nunca deixámos de ser. Serena mas focada atenção no imprevisto.

Namastê,
M.
www.raiosdomesmosol.blogspot.com

sexta-feira, 26 de junho de 2015

O Extra no Ordinário


Num mundo ordinário no qual a pessoa tende a viver a vida moldada pelo exterior,
Faz falta o extraordinário interior do ser,
Desde onde seja vida e abraçada a pessoa.
Seja o extra. Viva a diferença.

Namastê
M.
www.raiosdomesmosol.blogspot.com


sábado, 13 de junho de 2015

Eu, as emoções e eu


Tu, mente, não sigas a tua intuição nem mente de alguém.
Não ainda.
Ainda não sois amigas.
Observa-a antes com intenção e atenção atenta,
pois é tua intuição e não de nenhuma outra mente.
Ainda que surja vestida por uma emoção de repulsão ou medo,
atração ou desejo,
respira e permanece nessa atenção interna, focada.
Serena e desapegada,
persegue a emoção com atenção.
Caça a emoção, não te deixes acreditar engolir por ela.
Corre em direção dela, não para onde ela te projeta.
No final da mente, corre com ela final e realmente.
E, juntas afinal, assim se transformam na melhor companhia…
A emoção e tu, tu e a emoção.
Procurar ou evitar emoções é para ti agora igual,
pois conquistaste o agora da tua companhia, a melhor.
E assim és.
Presente no presente.

Jorge M. Porfírio
www.raiosdomesmosol.blogspot.com

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Liberdade


Alguém quer ter liberdade e ninguém quer ser liberdade.
A pessoa quer liberdade para o impulso mas franze o olho à consequência.
Quando se acredita que se conquistou a liberdade e que agora se “tem” liberdade no bolso,
Acredita-se também que “tem” que se lutar por a manter,
Pois a qualquer momento, tal como a liberdade veio a liberdade poderá ir.

A liberdade não depende de nenhuma cousa, mas muita causa alimenta-se dela.
Há liberdade que expande e há liberdade que limita.
Há liberdade da mente e liberdade de mente.

Observa e reconhece que o efeito é também a causa,
Desfralda as velas do barco da liberdade que apenas tu poderás ser.
A liberdade não está em nenhum porto,
Liberdade é onde quer que ninguém seja.
Acaba onde começou.
Tu és.

M.
www.raiosdomesmosol.blogspot.com

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Nas Asas do Ser



Oh mente,

Descansa as tuas asas doridas pelo que procuras
Maceradas pelo fogo da procura do que para fora projectas.
Repousa o teu corpo tenso e cansado
Aterra e aninha-te no ninho do Coração
Derrete aqui
Todo o fogo glaciar e ventoso
Na água amena e espacial da qual és projeção.
Concede-te tempo num tempo de eclosão.
Eclode e reconhece no Coração aquilo que nunca pudeste deixar de Ser.
Encontra-te no abandono da tua procura
E funde-te naquilo que és.
Não pelo querer das tuas asas mas pelo ser do qual és manifestação.

Oh, mente…

Não há tempo para o sem tempo
Que contempla o tempo do teu voo sonhado.
Há tempo nos voos onde te colocas,
Algumas vezes sobre prados coloridos onde te perdes no deslumbramento
Outras tantas sob nuvens cinzentas onde te perdes no sofrimento.
O que contempla o teu voo é a origem da viagem que és.
O que observa o teu voo sente o espaço deslocado pelas tuas asas,
Sente a procura pelo teu encontro e sente o encontro da tua procura.
Não há um eu e um tu naquilo que somos.

Oh mente…

Eu sou sem ti mas tu não és sem mim.


Namastê,
Jorge M. Porfírio
www.raiosdomesmosol.blogspot.com

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Liberidade


Liberdade não é viver o acreditado,
mas ser aquilo que não precisa de ser acreditado.
Uma aprisiona o ser, a outra libera-o do acreditado.
Sempre será preciso alguém para haver liberdade,
ninguém é preciso para a ser.


Uma é separação na prisão, a outra é união na libertação.


Liberdade não é a procura,
Mas sempre e quando se dá a ela própria.

É sempre Idade de ser Liber.

Namastê
Jorge M. Porfírio
www.raiosdomesmosol.blogspot.com

terça-feira, 26 de maio de 2015

Despertar da Forma


Há duas formas de viver no presente:
temendo, evitando dor ou desejando, procurando prazer.
Ambas são memórias do passado reflectidas no presente,
Pré-ocupando o presente.
A vida é para lá da forma presente.

Haverá sempre uma forma a querer viver o presente
Enquanto não se tornar presente a ela própria.

Para ser na vida não há forma
Pois o Ser é sem forma.
Esse ser presente tu és
Antes e em qualquer forma.

Antes de ti,
Tu és presente.

Namastê
Jorge M. Porfírio
www.raiosdomesmosol.blogspot.com

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Na Caverna de Platão

(imagem relacionada com a Alegoria da Caverna, de Platão)

Neste grande palco onde a Vida é,
Ninguém é melhor ator que alguém.


Namastê
Jorge M. Porfírio
www.raiosdomesmosol.blogspot.com

segunda-feira, 18 de maio de 2015

O Poder da Atenção

Uma das mais poderosas ferramentas que todo o ser humano dispõe ao longo da sua vida, é também uma das que mais passa despercebida. Paradoxalmente, é a partir dela que a vida se desenrola e através da qual demais ferramentas são procuradas e, ou não, encontradas. Falamos da Atenção. Às vezes o mais importante e óbvio é aquilo que mais tende a passar ao lado, tal a proximidade e a forma mecânica e inconsciente com que é utilizado. Imagine que segura na mão uma lanterna com o feixe de luz aceso e que procura algo no escuro. Consideremos a Atenção a lanterna... Atenção à lanterna.


Tudo aquilo que é procurado, apenas o é precisamente devido ao facto desse poder criador da realidade de cada um: isso mesmo, a Atenção. Direcionamos atenção a tudo e a todos. Tal como um leito de um rio é recipiente e ao mesmo tempo condutor de água, é através da atenção que energia de intenção é conduzida em direção a algo, em direção a um objetivo, a um efeito.
Quando os “efeitos” que a vida devolve não espelham a ideia que se tem de “felicidade“, ocorrem sensações e sentimentos de desconforto, de infelicidade. É oportuno nessas ocasiões analisar de uma forma mais abrangente e profunda aquilo que o momento dá a sentir. Por outras palavras, desde os efeitos, iluminar as causas.

Muitas vezes a atenção brota de um estado reativo, mecânico, emocional. Tende-se a colocar a atenção na procura, no que faz falta, naquilo que não se tem mas que gostaria de se ter, na ausência, na carência. Nesse contexto, a atenção nasce desde uma base de carência, falta de algo, projeção de responsabilidade, colocando "fora" a felicidade. Isto causa infelicidade e gera desejo. Transfere-se poder/atenção para o exterior ao invés de, com ele, iluminar, observar, respeitar, compreender, perdoar, aceitar, amar, integrar, expandir e nutrir o interior. Quando a atenção se redireciona para o centro de si mesma, encontram-se pérolas ao longo do caminho que somatizam a totalidade de um ser completo por ele próprio. Com essas pérolas um Colar de Gratidão é gerado, desenvolvendo naturalmente uma atitude de Gratidão para com a Vida.

É diferente viver o momento tendo como base a carência (medo/apego) ou vivê-lo tendo como base a Gratidão (amor/desapego). Os comprimentos de onda são diferentes, e a vida devolve não aquilo que se quer, mas a soma de tudo aquilo que antecede o “querer“. Visível e/ou invisível, consciente e/ou inconsciente, iluminado e/ou por iluminar. O simples facto de “querer” implica falta de algo, carência, incompletude, insegurança, medo. Desta forma vive-se assente numa plataforma, ainda que inconsciente, de medo e de luta na vida. E como é interpretado aquilo que a vida faz chegar? Precisamente como mais do mesmo: luta, resistência, pois foi precisamente desde esse ponto que a atenção foi colocada, limitando assim o canal pelo qual a vida circula. Daí ser dito que por vezes a vida dá o necessário para que uma revelação interior possa acontecer e não aquilo que é desejado.

Por outro lado, quando se vive desde um ponto de gratidão pelo momento que se vive, agradecendo e vibrando por aquilo que se tem e se vive ao invés de desejar aquilo que não se tem, a vibração interna muda, expande. Desde esse núcleo tão interior como intrínseco a cada um, todas as suas demais dimensões que brotam desde esse ponto são abarcadas, equilibradas e integradas. O campo de coerência vibracional individual é mais alargado, integrador e sincronizado e dessa forma ressoa com a vida. E a vida encarregar-se-á de devolver experiências no mesmo tipo vibracional de onda, tal como se de um eco se tratasse.

Você não é apenas uma estação de rádio e ouvinte. É energia em interação com energia. Energia em interação com ela própria, energia a reconhecer-se e a integrar-se consigo mesma. A energia não está apenas dentro de si como também fora de si. Para ela, dentro e fora não existe, pois são conceitos que apenas existem quando a atenção está identificada com a mente dual.

Entregue-se e renda-se a essa energia que já é. Banhe-se e respire nela. Irá, pela sua própria experiência, sentir mais clareza, mais espaço. Se não está contente com o eco que recebe da vida, talvez seja momento de colocar a sua atenção em si próprio, observando de uma forma imparcial, neutra, isenta de qualquer tipo de julgamento, iluminando aspectos que possam estar há já algum tempo a pedir a sua presença, a luz da sua lanterna/atenção.

A energia flui para aquilo que a sua atenção está a ser no momento. O exterior é sempre espelho do interior.

Namastê,
Jorge M. Porfírio
www.raiosdomesmosol.blogspot.com

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Porque sofro?


Por detrás de todas as crenças, todas as emoções e sentimentos, de todo o passado, você é o que nunca deixou de ser. Abandone todas as imagens que tem acerca de si… Deixe tudo por uns instantes... O que fica? Você é pura Consciência. É aquilo que a conduziu, desde que nasceu, até este preciso momento. Este instante. O corpo entretanto cresceu, mas em si há algo profundo que se mantém, um tesouro que a acompanha ao longo do por vezes sinuoso caminho da vida. Algo se mantém, inalterável.

De alguma forma, o facto de a atenção ser colocada ao longo da vida no material, naquilo que está “fora”, no mundo dos fenómenos onde tudo e todos está de passagem, fez cristalizar a ilusão de ter que se “construir e agarrar uma vida”, criando uma identificação a uma imagem de separação e luta, de medo. A vida por si só é transitória. A cada estação do ano sucede outra que por sua vez antecede uma outra. A dor na vida é inevitável, tal como para haver dia tem que haver noite, para haver prazer tem que haver dor. É da fricção dos opostos que nasce a luz. A dor pode ser vivida como um convite de introspeção para o sentido último da vida em si. Porém, quando surge resistência à Vida e consequente não aceitação perante aquilo que ela dá a vivenciar como dor, surge resistência ao que acontece, à mudança, à renovação da vida, expondo o apego à segurança ilusória do passado. Gera-se assim o sofrimento que se instala e se mantém como um hóspede indesejado. E mantém-se não porque seja desejado, mas sim porque a pessoa acredita que é esse sofrimento. Há sofrimento porque há apego. Libertemo-nos do apego, e libertamo-nos daquilo que acreditamos que nos limita. Podemos acreditar que são os outros a causa dos nossos limites, felicidade ou infelicidade, quando no fundo somos nós próprios que nos limitamos, dividimos e condicionamos sempre que colocamos fora de nós próprios a causa do estado de ser individual, seja ele qual for.

Não é a dor que derruba, mas a forma como se aceita ou não a experiência da dor. Se houver resistência, tensão, surge o sofrimento. Que, por si apenas, é uma chamada de atenção para que, revertendo aquilo que a situação dá a sentir para o interior, se possa encontrar um ponto de equilíbrio, de abertura, de rendição da imagem do eu ilusório para um eu mais pleno, vendo para além da "pessoa". Na base, sofremos quando há uma profunda identificação da consciência com a crença “eu sou este corpo”. Nesse ponto a expressão da consciência encontra-se de certa forma limitada, apegada à crença dessa identificação e sujeita a toda a limitação e condicionantes que ela impõe, de forma mais ou menos consciente.

Reconheça e entenda que não é apenas um corpo a viver a vida… é Vida a ser e a respirar num corpo. Para alguns esta observação e reconhecimento é mais fácil ser aceite e integrada do que para outros, pois cada um é um mundo com estradas e formas de chegar ao mesmo destino diferentes, dependendo do seu grau de entendimento e maturação individual. O nível de resistência a esta “desconstrução”, reflete o grau de apego à matéria e o quão dependente cada um acredita que se encontra do exterior. Há a escolha. A ajuda por vezes conquista-se dentro, e depois aparece fora. Nos dias que correm há cada vez mais pessoas que despertam para essa escolha. Escute a sua escolha e observe à sua volta, não está sozinha neste processo. Respire.

Quando a mente se permite banhar no leito do Coração, ocorre a rendição da pessoa (personalidade, imagem construída desde a mente) à sua essência. Ao longo desse processo de “deixar de ser para ser” poderão fazer-se sentir “membranas” de resistência (mentais, emocionais). Com paciência e compreensão e uma genuína entrega e humildade, as mesmas membranas dissolvem-se uma por uma, integrando-se também elas em pura consciência. O buscador, aquele que caminha em direção a, passa através delas, integrando partes de si e, naturalmente, aproxima-se cada vez mais do seu ponto de origem. 

Nesse ponto também o "buscador" desaparece, pois chegou ao Agora, ao ponto de onde nunca saiu. 

Namastê
Jorge M. Porfírio
www.raiosdomesmosol.blogspot.com

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Espelho, espelho meu...


Já lhe aconteceu viver uma situação num determinado momento do dia, e disse “Oh não…. Outra vez isto?”. A realidade percebida depende da forma como cada um se encontra recetivo e disponível a esse instante. Não é que a experiência seja igual à anterior. Está-se sim a repetir e a fazer sentir uma emoção do passado através de mecanismos de interpretação mental, que criam a ilusão de se estar a repetir a situação. E porquê? Porque a Vida é inteligente, e sabe que o aluno não foi capaz de retirar o sumo da experiência da situação do passado. E então, a forma repete-se uma e outra vez, até que finalmente o aluno “observa” o sumo e bebe a aprendizagem. “Ah! Era isto…”.

Numa das minhas últimas palestras falava-se deste tema. Uma participante mencionou que no simples facto de apontarmos o dedo indicador, ao mesmo tempo na mesma mão três outros dedos apontam para nós próprios, como se uma inteligência profunda dissesse: “Trás isso para dentro e observa em ti o que a situação te mostra”. Foi muito profundo e interessante. Poderá fazê-lo agora. Aponte para fora o dedo indicador e observe a forma como outros três dedos apontam para si ao mesmo tempo. Poderá eventualmente observar uma sensação do tipo “tremor de terra” a aflorar.

Quando nos vemos ao espelho e queremos alterar o que vemos, não esperamos que seja o reflexo a mudar, mas sim, devolvemos para nós próprios a tarefa de fazer algo nesse sentido. A realidade é um reflexo. Acredita-se ver fora o que é acreditado dentro. É mais confortável transferir responsabilidade de mudar algo para o exterior, apontando fora culpas e causas de efeitos que sentimos dentro. É mais conveniente para a preservação da imagem que temos de nós próprios, pois assim essa ideia de quem somos permanece “segura”, no seu pedestal, revestindo o papel de vítima. Porém, essa imagem é frágil na sua aparente solidez. Ao mínimo solavanco, se a vida toca num ponto crítico, faz estremecer toda a estrutura individual, dando origem a reações oriundas de um estado de ser dividido, compartimentado e estancado no seu interior. Lembre-se que sempre que reagimos estamos a “atacar” e o ataque pressupõe defesa. Observe que reação defensiva é efeito, emoção de medo a causa. Observe o movimento das emoções, a forma transitória como vêm e vão. Aprenda a não se agarrar a elas, a não se identificar com elas.

Aprendamos a estar presentes, a explorar o próprio interior, para que se possa observar onde e quando “reagimos”. Se em vez de reação houver espaço para resposta, não estaremos a viver o presente distorcendo-o com imagens guardadas do passado.

É tempo de se libertar do passado e viver plenamente o presente.
Porque você merece!

Namastê
M.
www.raiosdomesmosol.blogspot.com

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Atemporal



“Já não era sem tempo”...
Já foi tempo.
Já era tempo.
Já, era tempo.
Já, é agora.
Agora é sem tempo.
Já, é sem tempo…
Já é sem tempo.
Já foste…
Já voltaste…

Já és.

Ninguém é sem tempo neste tempo.


Namastê
M.
www.raiosdomesmosol.blogspot.com

segunda-feira, 11 de maio de 2015

O Céu e o Inferno do Samurai



« Existiu um samurai muito temido, arrogante e habilidoso no manejo da sua espada. Dizia-se que era invencível. Apesar de ser temido, este samurai trazia consigo um grande medo: em várias batalhas a sua vida esteve por um fio, e desde então passou a temer a morte. Preocupava-se seriamente com isso e perguntas como “céu e inferno existem?” passaram a atormentar a sua mente e durante a noite pesadelos com chamas infernais torturavam seu sono.

Um dia, antes de ir para uma nova batalha, o medo ressurgiu e ele decidiu que precisava saber urgentemente se o céu e o inferno existiam de fato, e onde se situavam.
Acreditava que se soubesse onde eles estavam, poderia evitar ir em direção ao inferno e seguir diretamente rumo ao céu. Pensou que um mestre zen lhe poderia dar essas respostas, e decidiu ir a um conhecido templo budista, no meio das montanhas.

Chegando lá, ele esmurrou o portão e aos berros exigiu a presença de Hakuin, um famoso mestre que residia no local. Calmamente, Hakuin ainda abria a porta quando o arrogante guerreiro esbravejou impaciente: 

- Quero saber se céu e inferno existem e onde eles estão! Tenho pressa, quero essa resposta AGORA!

Hakuin olhou-o de cima para baixo com um olhar de desprezo e respondeu:
- Ora, seu porco imundo, retire-se daqui!

O samurai ficou com os olhos vermelhos. O sangue fervilhava de fúria. Desembainhou rapidamente a espada e ameaçou desferir um golpe mortal contra o monge, que o interrompeu dizendo:
- Eis a porta do Inferno.

O samurai recuou, surpreendido, e já arrependido pela conduta arrogante, curvou-se sereno e humilde, e pediu perdão. Hakuin, antes de fechar a porta, disse:
- Agora, encontrou a porta do Céu. Se o céu e inferno não forem observados e sentidos dentro da sua mente, em que outro lugar então pensaria encontrá-los? »

(Conto Zen)



Aprender a cultivar, a desenvolver e a estabilizar um estado de presença testemunha, é essencial para que surja espaço. Apenas nesse espaço, vazio da imagem e identidade do "eu", escolhas conscientes poderão aflorar de forma natural, desidentificadas com estados transitórios emocionais e mentais. Liberdade para fazer algo não é a mesma coisa que assumir a responsabilidade da consequência da ação. Tal como uma porta tem duas faces, nem sempre se observa a outra, apesar de ambas as faces fazerem parte daquilo que é. Tal como, também, a mesma porta que num primeiro instante se pensa que abre para fora, poderá num instante de compreensão profunda, abrir para dentro. - A porta é a cada instante... és este instante.

Jorge Miguel Porfírio

www.raiosdomesmosol.blogspot.com

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Sinais de Vida


Por vezes a vida coloca tantos sinais à frente que facilmente desconsideramos os sinais como sinais, passando-nos despercebidos. Por vezes ficamos até confusos e atordoados. Sinais são “chamadas” para que a atenção se recoloque num sítio/estado com mais espaço, mais amplo, recetivo a um espectro de cores mais alargado para que com ele se possa interagir com o mundo. O momento tendencialmente é dirigido pelo “complicómetro” a que chamamos mente, turvando a visão profunda, dificultando ver a profundidade do simples e integrá-la depois no momento seguinte.

A Vida fala através das coisas simples. Aliás, a vida sempre fala, mas dir-se-ia que nem sempre a escutamos parecendo até que estamos de costas voltadas para ela. Certamente que já reparou nas chamadas “coincidências”. Por exemplo, quando pensa em alguém e momentos depois esse alguém lhe telefona ou bate à porta.

Ao conseguirmos estar suficientemente presentes e disponíveis para realmente observar a mensagem nas entrelinhas que a vida nos faz chegar, dizemos “Estou aqui!”. Trata-se de observar a linha da aparente “coincidência” e aprofundá-la. Dessa forma iremos entendê-la como sincronicidade, onde se intui que a inteligência da Vida ressoa com a vida inteligente em todos nós e desde esse ponto tudo flui de forma harmoniosa como se um rio transparente de convergência, presença, evolução e equilíbrio se tratasse.

O poeta sufi Rumi, dizia: “Para mudar a paisagem basta mudar o que sentes”. Para um reconhecimento mais vivo da vida ter lugar para acontecer, convém que tenhamos a capacidade e , acima de tudo, a vontade genuína de primeiro “esvaziar” a mente, desejando a mudança. Tal como num copo cheio de água até ao limite não cabe nem mais uma gota de água, numa mente cheia também não há lugar para nada mais. Mudar o que se sente passa por convidar a uma mudança de paradigma interior. Tantas e tantas vezes a vida nos dá sinais que, repetindo certo tipo de padrões ou rotinas, iremos estar a remar contra a maré do livre fluir da vida e da paixão que nos anima e alimenta a alma. Quando o plano A não corre como seria desejável uma e outra vez, talvez seja a Vida a dizer: “Ei! Passa para o plano B!”. Afinal, o alfabeto tem tantas letras…



Fique aqui, no momento. Presente. E entretanto, se vir um sinal para atravessar na passadeira, escute-o. Afinal, a Vida fala consigo a todo o momento… simples mente.

Namastê,Jorge M. Porfírio
www.raiosdomesmosol.blogspot.com

quarta-feira, 6 de maio de 2015

9 Dicas para cultivar o Presente

Encontrar espaço interior para viajar na montanha russa de cada dia é essencial nos dias que correm. Imagine um círculo. Quanto mais a atenção se encontra identificada com o seu perímetro, mais o foco se distancia do centro desse círculo. Assim, tendem-se a adotar padrões reactivos, interagindo com a vida desde uma parte distante do núcleo da vida presente em cada um.



Cultivar momentos e rotinas saudáveis de modo a substituir rotinas, padrões e tendências desestabilizadoras fortemente enraizadas, conhecidas por vasanas ou samskaras no oriente, revela-se algo extremamente importante para um desfrute mais fluído e harmonioso da vida.
Assim, experimente colocar em prática no seu dia-a-dia o seguinte:

- PRESTE ATENÇÃO À SUA RESPIRAÇÃO. Esteja onde estiver. Na fila do supermercado, a conduzir, no café, à mesa, comece por dedicar 30 segundos por exemplo a este exercício. É natural que, depois de algum tempo de prática, se sinta confortável e até estímulo natural para ir aumentando o período de tempo. Mantenha a coluna direita e as clavículas afastadas uma da outra. Sinta a forma com que a respiração fui por ela própria, sem interferências ou necessidade de “querer” respirar. Sinta a temperatura do ar que entra pelas narinas quando inspira e a temperatura mais quente do ar que sai quando expira. Enquanto respira dê-se conta do movimento subtil do peito a acontecer, desde o abdómen às clavículas. Sinta em cada expiração a forma como se vai sentindo cada vez mais relaxado, mais leve e com mais espaço, mantendo a coluna direita. A respiração é uma poderosa âncora para trazer a atenção para o momento presente.

- DESFRUTE DO SILÊNCIO. Não me refiro ao silêncio exterior, mas acima de tudo ao interior. Pode estar num sítio onde não se ouve nem uma mosca a passar mas a mente está cheia de pensamentos. Esteja atento a “ruídos” mentais, pensamentos. Sempre que observar algum pensamento apenas foque novamente a respiração com a sua atenção, libertando-se assim da mente e do seu processo de encadeamento mental. Gradualmente, irá dar-se conta que pode até estar no meio de uma multidão e no seu interior tudo está calmo e em paz, tal como no centro de um furacão.

- REFEIÇÃO CONSCIENTE. Durante uma refeição, permita-se usufruir dessa dádiva e momento sagrado em silêncio. Este exercício torna-se ainda mais desafiante para quem costuma comer em família, pois é costume aproveitarem-se esses momentos para se colocar a conversa em dia após um dia de trabalho e de escola dos filhos. Porém esse momento é mágico para uma comunhão interior profunda. Dialogue com os membros que partilham a mesa antecipadamente, falando deste exercício. Estabeleçam, por exemplo, reservar no final da refeição 5 ou 10 minutos para conversar o que seja necessário ser conversado no âmbito familiar. Irá constatar que este simples facto irá tornar ainda mais produtivo e enriquecedor a comunicação e o diálogo. Na refeição, antes de iniciar, comece por fazer uma respiração profunda e consciente, entrando em contacto com o momento. Durante a refeição, permita-se estar presente em cada garfada que leva à boca. Sinta todos os sabores. Dê-se conta do processo da mastigação a acontecer, do movimento da sua boca. Observe a tendência para a necessidade de ter de falar. Observe as suas emoções. Regresse com a sua atenção as vezes que forem necessárias para o que está a fazer. Mantenha a mente “limpa”, vazia de pensamentos, mantendo o foco no que está a fazer acontecer nesse instante. Estando mais presente, irá também escutar a real necessidade de alimento do seu corpo, e irá saber, sentindo, a quantidade adequada de comida necessária para o seu corpo.

- RELATIVIZE TUDO. Inclusivamente a si mesmo. Permita-se vivenciar todo o tipo de emoções, sem necessidade de as esconder ou recalcar de si mesmo. Mantenha simplesmente a atenção na consciência de si próprio, no observador que observa a emoção, o pensamento, aquilo que a experiência dá a sentir, naquilo que se passa ao redor. Dessa forma irá cultivar uma consciência cada vez maior e mais sustentada de si, sem se identificar com emoções que possam surgir. Vivenciando a vida, porém sem ser “arrastado” por aquilo que dá a sentir.

- QUESTIONE-SE. Pergunte-se a si próprio várias vezes ao dia e em diversos tipos de contextos perguntas como: “Quem sou eu, realmente?”. Observe a possibilidade da mente rotular este tipo de perguntas como “crises existenciais”. Regresse ao propósito de escutar e cultivar o seu centro, e não dar ouvidos à periferia da mente e dos seus hábitos. Na realidade, esta pergunta tem o papel potencial de Shiva, no oriente o poder da desconstrução, abertura e renovação, para que assim haja uma desidentificação da mente, apontando para o centro do seu círculo e consequente expansão cardíaca e integração com a mente.

- ATENÇÃO À ATENÇÃO. Lembre-se que a atenção é uma das mais poderosas ferramentas do ser humano. Seja o que for para o qual direcione a sua atenção, esteja ou não consciente, irá estar a dar força e a alimentar o que sente. Deixe que a vida aconteça por ela própria. Estamos todos aqui apenas de passagem… Aprenda a libertar o passado, a libertar o futuro, a libertar-se da mente. Viva o presente no presente. Apenas cultive a sua atenção desde o seu centro, o seu núcleo, o seu agora. Desde esse ponto, sinta-se profundamente livre para ser aquilo que nunca deixou de ser, apesar do aparente passar do tempo. Ser simples…Mente.

- PERMITA-SE DIZER “NÃO”. À medida que for estando cada vez mais em contacto consigo próprio, é natural que aquilo que antes fazia sentido para si, ao qual atribuía importância e ao mesmo tempo lhe dava poder, agora observa que deixou de ter o mesmo tipo de significado para si. Deixou de se identificar com certo tipo de pensamentos, rotinas, condutas, conversas, ambientes, pessoas… Quando existe coerência entre o centro do seu círculo - o coração inteligente e emocional,  e a extremidade do mesmo círculo – mente/personalidade, dizer “não” equivale a dizer “SIM” à vida e ao alinhamento sagrado em cada um com o fluxo cósmico da Vida. Deixe que a vida leve o que já não fizer sentido no presente para que assim a vida lhe traga o que faça mais sentido para si no presente. Renove-se.

- SEJA JARDINEIRO. Tal como uma engrenagem que está habituada a funcionar apenas num sentido e se deseja que funcione noutro sentido, é muito importante fazer atividades que façam acontecer e embalar esse novo sentido. Imagine um jardim abandonado, no qual cresceram ervas daninhas em total liberdade, sem controlo nem disciplina, sem jardineiro que cuidasse do mesmo. Entretanto as mesmas ervas daninhas encobriram flores multicoloridas, que foram ficando encobertas. Coloque a atenção nas flores. Deixe as outras tal como estão, não as combata, não disperse a sua energia e atenção. Apenas regue as flores. Alimente, cuide e mime o seu centro. Inscreva-se em atividades como Yoga, Tai Chi, meditação, passeie pela natureza, leia livros de desenvolvimento pessoal, pinte, escreva, etc. Tudo isso irá ajudar para que aos poucos as suas flores cresçam. Quando der por si o jardim que ontem estava repleto de ervas daninhas hoje estará cheio de vida, espaço e cor, integrando também as ervas daninhas como um elixir para um jardim com mais vida.


- Por último... PRATIQUE A GRATIDÃO. A cada despertar, a cada experiência, a cada sorriso, a cada lágrima. Reconheça a pérola de sabedoria e aprendizagem de cada morango que a vida lhe traga, seja ele amargo ou doce. Pratique o desapego, material ou emocional, sem colocar de lado a vivência do morango. Tudo se transforma. Diga apenas “Obrigado”. Agradecer à Vida trás mais vida à sua vida.


Namastê,
M.
www.raiosdomesmosol.blogspot.com

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Torne-se Oceano


Todos os rios fluem em direção ao oceano. Ao longo do seu trajeto, nas margens da sua existência, cada um nutre e devolve vida à vida. Chegará um momento em que deixa de ser Tejo, Mississipi, Ganges, Danúbio, Nilo, Amazonas, libertando a sua identidade e fundindo-se no Oceano.

Qualquer forma de identidade conceptual, física ou emocional, não poderia existir se antes dela mesma não fosse já Oceano, Pura Consciência. No momento desse reconhecimento, deixará de haver “tu e eu”, “meu e teu”, “certo e errado”, “interior e exterior”, “dentro e fora”. Separação existe apenas na identidade.

A procura adormecida, perpetuada pelo hábito da identificação com o nome e a forma, transforma-se de forma natural e sem esforço num encontro desperto com o Oceano da pura Consciência.

Os rios continuarão a fluir, mas de alguma forma agora com mais espaço, deixando de “correr” para ser.

Contemple o seu Rio e torne-se Oceano… Ele é Agora!

Namastê
M.

domingo, 19 de abril de 2015

Linhas da Vida



Na linha da horizontalidade da condição e experiência humana, existe o tempo.
No eterno presente, emana a linha da verticalidade atemporal do ser.

Desde o ponto de encontro dessas linhas, no meio dessa cruz, possa o ser viver... desde o Centro.


Om Shanti
M.

sábado, 18 de abril de 2015

Mooji, O Silêncio de Ser

"Quando o homem procura por experiência, ele se torna o corpo.

Quando ele procura por conhecimento, ele se torna a mente.

Quando ele procura por Deus ele se torna o Coração.

Quando ele procura pela Verdade ele se torna em Nada."


- Mooji

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Relacionamentos

Viver é relacionar-se. Viver é relacionar-se com a vida. Viver é relacionar-se a Vida com Vida. Ser vida é ser consciente da forma como nos relacionamos connosco próprios na dinâmica da relação com o outro. Viver um relacionamento é relacionar o que está dentro com o que está fora. Relacionar é a arte de aprender a ser vida com outra vida.


Relacionamo-nos com tanta coisa e tantas pessoas à volta, que negligenciamos a forma como nos relacionamos connosco próprios no vasto oceano de efeito espelho que a vida é. Relacionamos o nosso “mundo” com outros “mundos”. O descobridor relaciona o seu mundo com mundos de outros descobridores. 

Relacionamo-nos com a cara-metade, com o pai, com a mãe, com o filho, com a filha, com a família, com o amigo e com a amiga, com o colega, com o padeiro, com a peixeira, com o polícia, com o ladrão, com o mendigo, com o banqueiro, com a política, com a religião, com o futebol, com a televisão, com o jornal, com o que está “bem”, com o que “está mal”, com o preconceito, com o tabu, com o politicamente correto e incorreto, com o socialmente aceite e não aceite, com o desconhecido, com o conhecido, com o espelho, com o relógio… relacionamos emoções de medo com pensamentos de luta, relacionamos pensamentos de dor com ações de raiva, relacionamos gestos de compaixão com gestos de amor, relacionamos reações com respostas, relacionamos dar com receber, relacionamos dependências com independências e interdependências, relacionamos pensamentos com ações, relacionamos a nossa forma de viver o mundo com outras formas de viver o mundo… Relaciona-se o futuro com o passado, a procura com a emoção, a paixão com a inércia, o prazer com a culpa, o engano com o desengano, a verdade com a mentira, a ilusão com a desilusão.

…Será que relacionamos? Como relacionamos? Será que “disparatamos”? Somos a relação ou somos testemunhas da dinâmica da relação, observando e assumindo responsabilidade da coerência e transparência da relação que tenho comigo próprio em primeiro lugar? Por vezes há “mundos” psicoemocionais inconscientes formados por malas do passado e passaportes para o futuro, que influenciam a dinâmica dos relacionamentos que temos no presente. Muitas vezes queremos dizer sim e sai um não, muitas vezes queremos ir para a direita e vamos para a esquerda. Direcionamos a atenção tendencialmente para aquilo que está fora, na ânsia de tratar algo que está dentro. Assim vemos fora apenas o que acreditamos que queremos ver, não vemos fora o que ainda não aceitamos, conhecemos e compreendemos dentro.

Toda a forma de relacionamento é uma ponte de encontro entre dois pontos, duas entidades, dois descobridores. Nessa dinâmica, poderá haver atração ou repulsão, afeiçoamento ou aversão. Pode o afeiçoamento ser a ilusão de uma procura desencadeada pelo medo? Pode a aversão ser um dedo que toca numa ferida por sarar? Afinal, o que é o quê? Uma simples palavra tem importância relativa, aquela que cada “descobridor” acredite e lhe “agrafe”. O que dá poder a uma simples palavra? Acreditar! Acreditar tal como acreditas que és o nome pelo qual a tua pessoa é chamada. Como pode o desconhecido ser descrito? Como pode o incerto ser tomado como certo? O relacionamento pode também muito bem ser um ponto de crescimento e amadurecimento em direção a algo mais profundo, para lá do “descobridor”, a entidade que “procura”. Quem procura? E o que procura?

Aquele que se despe de si próprio, da imagem de si próprio, será aquele que se capacita a si mesmo para estar presente, sem ruído mental e emocional do passado ou do futuro. Simplesmente está. Presente. Aquele que está agarrado a algum tipo de ilusão de segurança, de identificação, carregará consigo todo um mundo de memórias, de emoções, de crenças, julgamentos e “agrafos”, de sentimentos e projeções que interferem nas pontes criadas com o outro. Que mexem e condicionam o presente. Relacionamento sim, mas será relacionamento entre quê? Entre quem? Quem ou o que se relaciona? 

Relacionamento quando vivido de uma forma presente, é uma arte. Uma arte de comunhão e comunicação, interagindo com a Vida para lá dos olhos do outro. Relacionar pode ser uma oportunidade de clareza de ver e Ser Vida, e por outro lado pode ser um botão “repeat”, mais do mesmo, areia para os olhos do “descobridor” que se relaciona. 

Relacionar é observar a forma como se interpreta a vida, se necessário for interpretá-la… Observar a forma como é sentida, se necessário for sentir… Observar a forma como é aceite, ou não aceite. Observar a forma como se mantem a luz do discernimento presente e no presente. Afinal mastigar, saborear e digerir a Vida não é a mesma coisa que engolir a vida ou torcer o nariz e virar a cara para o lado, à espera de outro prato. Mas tudo está bem pois, na verdade, aquele que come está já comido pela Vida. No fundo, não há aquele que come, nem tão pouco há o comido. Poderá alguém comer ninguém? Tudo se relaciona na mesma forma como se relaciona com ele próprio. Tudo caminha e se relaciona na medida do tempo certo e no lugar certo… no momento certo.

Seja qual for o relacionamento para o qual olhes na tua vida - afetivo, social, profissional - esse será sempre o relacionamento perfeito para te dar a observar e a sentir o ponto de liberdade consciente onde te encontras na forma como te relacionas contigo próprio de acordo com o teu grau de entendimento. E isso por si só é perfeito! Respira e Sê grato! Ter liberdade em qualquer tipo de relacionamento é não só escolher relacionar ou não com o outro, mas estar consciente da forma como me relaciono comigo próprio no relacionamento com o outro. Não se trata de egoísmo, mas de respeito e amor próprio.

Namastê ~ M.
www.raiosdomesmosol.blogspot.com

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Resistências

- a visão Transpessoal

Resistência é qualidade daquilo que bloqueia ou resiste a algo novo. Supõe estanquicidade, defesa, ataque, medo em torno de algo. Num nível de desenvolvimento pessoal, uma resistência forma-se desde uma experiência do passado por assimilar e integrar até ao presente, limitando a expressão da vida influenciando assim o futuro.



Situações aparentemente triviais da vida quotidiana podem ressoar com algum tipo de resistência interna existente, desencadeando reações (atitudes baseadas no passado) de defesa/ataque, sejam elas internas (pensamentos, emoções) ou externas (palavras, ações, gestos). Assim observada, resistência é um SOS, uma chamada de atenção para dentro, de forma a ser observada a raíz de algo que se está a fazer manifesto através da Vida.

Funciona como uma bolsa emocional alojada no inconsciente, à espreita do momento certo para vir à superfície e dar sinal da sua existência. Por ser necessário ser observada de forma consciente de forma a poder dissolver-se, a resistência revela-se de várias maneiras, vendo-se a ela própria através do “espelho” exterior numa situação, pessoa ou experiência.

Por muito que se tente evitar, enquanto a base do efeito, a causa, não for vista e exposta à luz da compreensão, a “professora” vida encarregar-se-á de colocar à frente do estudante mais do mesmo até que eventualmente a lição seja assimilada.

O Transpessoal aborda as chamadas resistências como os anéis da cana de bambu – marcos importantes na vida desde os quais se aprende e se cresce a nível da maturidade emocional, expandindo a Consciência. Cultivando um estado de atenção plena, são iluminados novos corredores neuronais, novas vias de percecionar a realidade de uma forma mais fluída e desimpedida de filtros psicoemocionais. As resistências convertem-se assim em autênticas pérolas de sabedoria, rumo a um ser mais liberto.

Porque por vezes vemos aquilo que acreditamos, é necessário observar a forma como vemos.

Namastê ~ M.
www.raiosdomesmosol.blogspot.com

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Falta de Rumo na Vida

- a abordagem Transpessoal


Muitos são os estímulos exteriores nos dias de hoje que chamam e tornam cativa a nossa atenção. A vida parece ser empurrada em função do “faz isto”, “sê aquilo” “tem aquilo”, muitas vezes em direção a expectativas de outros que assumimos como nossas, e assim vivemos o dia-a-dia. Sentimos até obrigação de responder às mesmas expectativas do outro de forma a sentirmos aceitação. Entretanto, no interior e, tal como um vulcão que desperta, são ativados de forma mais ou menos consciente sentimentos de competição, comparação, inferioridade, baixa-autoestima, medo de rejeição, sensação de “ter que lutar” na vida gerando tensão. Tudo isso acaba muitas vezes por “explodir” em stress, reatividade, nervosismo, depressão, insónia, insegurança, fobias, etc.


Na sociedade consumista na qual se vive, cultivar e alimentar a paixão individual profunda que dá a sentir o sentido da vida, é algo que acaba por ficar eclipsado por objetos/identificações externas. E assim, tal como num eclipse o Sol fica escondido por detrás da Lua e deixa de haver luminosidade, deixamos de “ver”. Sentimos confusão, falta de confiança, acabando por permanecer resignados, conformados, “adormecidos” por não se vislumbrar o caminho e a orientação a tomar.

No Transpessoal são utilizados exercícios específicos de forma a estabilizar e a cultivar a presença, o estado consciente que observa o conjunto de crenças, sentimentos, emoções e identificações psicoemocionais que moldam a personalidade que se vê confinada dentro dela própria, não vendo caminhos nem opções. Desse espaço de observação, aflora naturalmente um despertar, um “dar-se conta” para aquilo que realmente se intui importante fazer acontecer, o passo a dar bem como aqueles que agora se observam caducos.

Vive o teu sonho. Todos os outros estão a viver o deles.

Namastê ~ M.
www.raiosdomesmosol.blogspot.com

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Yoga e a Árvore


Lutos e Perdas

- a visão Transpessoal -


O ser humano atual tende a viver o momento identificado com o seu corpo, com a imagem que a mente projeta acerca de si próprio. Tal estado de ser, gera, alimenta e perpetua a sensação de “eu sou o corpo”, de apego ao corpo, a segurar aquilo que se toma por “seguro”, o conhecido. Isto inevitavelmente gera dor quando se experiencia por exemplo a perda de um emprego, ou o fim de um relacionamento ou, talvez o maior desafio da vida submetida às leis do tempo e espaço e da mente, a morte de um ente querido.



Uma vivência de luto ou perda em si serve como gatilho para que um conjunto de resistências psicoemocionais sejam acionadas, havendo uma forte tendência para identificação ora com o passado ora para o futuro, fazendo sentir “falta de chão”. Situações como insónias, perda de apetite, reatividade, culpa, abandono, medo, etc., poderão ser experienciadas, de forma a expressar o vivenciado.

É desejável que, de forma a retornar a um equilíbrio são, serem vividas por inteiro fases durante este processo de forma a respeitar, abraçar e curar todas as feridas emocionais e mentais. Assim, da negação e incredulidade inicial vive-se depois o sentimento de ausência; depois, vem naturalmente o início da parte do processo de aceitação e depois a sanação, transformando o sentimento de perda. Finalmente, ocorre uma análise sobre o sucedido, onde a palavra “morte” é impregnada com outro significado de forma natural.

O Transpessoal ajuda a travessia deste profundo processo de perdas, ajudando ao despertar para algo mais amplo, sanador e ao mesmo tempo também profundo, para lá das fronteiras espaço/tempo, da dualidade e separação cultivadas pela mente.
É reconhecido o que representa o sucedido, permitindo assim de forma natural renascer das cinzas uma consciência mais plena, verdadeira e integral para a Vida.
... Aquilo que é o fim para a lagarta, é o início para a borboleta.

Namastê ~ M.
www.raiosdomesmosol.blogspot.com

terça-feira, 31 de março de 2015

O Perdão

- A visão Transpessoal -
Perdoar é reconhecer o direito de viver o estado natural do ser humano: Felicidade!


Muitas vezes tendemos a apontar o dedo a algo ou alguém que sentimos e acreditamos ser o causador de um desconforto interior. Dessa forma, estamos a abrir as portas para um ataque, defendendo aquilo que acreditamos ser a nossa verdade.

Porém, para haver um ataque, inconscientemente abre-se a porta para a existência da defesa, o que abre as portas para o medo.

Num jogo às escuras entre este vai e vem de projeções mentais e emocionais, a visão transpessoal trás luz apontando o ponto em nós que sana, que une, que perdoa, pois aquilo que se vê no outro é reconhecido dentro também. Uma vez observado é dada luz a uma parte que não se estava a ver. Tudo aquilo que a mente “vê” é aquilo que acredita ver, e tudo isso é construído no passado. Assim, é apontado o presente do perdão.

... Corrijo em mim o que vejo no outro.


Namastê ~ M.
www.raiosdomesmosol.blogspot.com

sábado, 28 de março de 2015

Sobre o apego à forma

Toda a forma da tua resistência, dos teus desejos e sofrimento perante a vida, expõe a intensidade do teu interesse e identificação com alguma forma de ti. Revela o apego que nutres por tudo aquilo que pertence ao mundo dos fenómenos, que pertence ao mundo da impermanência, da constante mutabilidade inerente.


Quando te dás conta desse reconhecimento interior, onde observas e te dás contas onde estão as raízes das amarras emocionais as quais encontram a sua forma dinâmica de expressão em pessoas, relacionamentos, eventos, objectos, obrigações, culpa e por aí a fora, despertas para as crenças que permitiste que se erguessem à volta de ti mesmo, simplesmente porque acreditaste e lhes atribuíste importância. E se o fizeste, foi porque assim tinha que ser e serviu o seu propósito para a tua evolução na altura.

Tudo o que aconteceu conduziu-te a este agora. E este agora convida-te a libertares-te do passado, libertares-te da ideia do futuro, libertares-te da mente. Este agora convida-te a libertares-te da imagem, da forma que atribuíste a ti próprio. É a tua mente que dá forma às coisas. Tu não és a mente, tu não és forma. 

Quando morres para a forma, dás-te conta do Sem-forma. Depois reconheces as múltiplas expressões do Sem-forma em todas as formas. Dás-te conta daquilo que És.

E irás, de alguma forma, saber intuindo o que fazer a seguir… Sendo Vida.


Om

quarta-feira, 25 de março de 2015

Novo Site


"We discover who we are by recognizing what we never stopped being"

Visite o meu novo site profissional, clique AQUI

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Yoga e Terapias - Novos Espaços




Veja os espaços e horários AQUI

Om Shanti
Jorge Miguel Porfírio